Boa ação – pra mim ou pra você?

egoismo Ninguém mais faz boas ações. Ninguém se preocupa mais em ajudar ao próximo por ser importante garantir uma boa experiência de vida para todo ser humano. Não, ninguém mais faz isso. Não adianta você vir me convencer. Não há mais quem se importe pelo bem estar e desenvolvimento do outro.

O que há – e ai eu não posso negar -  é gente ajudando ao próximo, pelo simples objetivo de ter a consciência tranquila. E essa tranquilidade vem na forma de karma bom, de garantia de entrada no Paraíso, vem de diversas formas, cores, cheiros e sensações. Mas vem sempre no pacotinho de realização pessoal. Você não ajuda o próximo para vê-lo como uma pessoa melhor, mais completa. Você ajuda porque, ajudando o carinha que necessita, você está garantindo um realização pessoal. “Ufa, fiz minha boa ação do dia. Posso voltar aos meus afazeres normais agora.

Não, não adianta me convencer. Eu também não estou dizendo que não sou assim. Sou muito assim, até mesmo porque, apesar de não acreditar em céu e inferno, acredito em karma, em plantar sementes de boas ações, acredito na lei da ação e reação. Chame como for. Acredito que, o que eu faço hoje, pode – e vai – retornar pra mim. Seja daqui a três minutos ou sete anos. Não importa.

Hoje mesmo, durante meu horário de almoço. Enquanto eu ia em direção ao restaurante, passei por um cego próximo ao meio fio. Eu estava de fone de ouvidos e música alta. Vi, passei, não parei. Me apertou o coração, mas prendi a respiração e segui caminho. Alguém haveria de ajudar o cego. Ele que me desculpe, mas eu só tenho uma hora de almoço e restaurante era meio longinho.

Na volta, o cegueta – falar cegueta é pejorativo? Se for, você me perdõem, tá? Enfim, na volta, o ceguinho – sei lá, acho ceguinho mais pejorativo ainda. Não gosto muito de coisas no diminutivo. Passa uma imagem de “pobre coitado”, não é minha onda. O cara é mais batalhador do que eu, consegue levar a vida sem conseguir enxergar. Diminutivo pra ele não cola. Tem que ser no aumentativo, pra dar credibilidade.

Onde eu estava? Ah, sim. No retorno do almoço. Pois bem, voltando do restaurante, lá estava o cegãorá! – no mesmo local, próximo ao meio fio. “Mas será que ninguém teve a compaixão de ajudar o cara a atravessar a rua até agora?”, eu pensei. Eu nunca tinha ajudado um cego antes, acho que nem nunca tinha conversado com um também. Me aproximei, pedi licença e perguntei se ele tava precisando de ajuda pra atravessar a rua. A resposta do cara veio em forma de um cartão, e do discurso semi-ensaiado, pedindo dinheiro. É, eu deveria ter me ligado porque ninguém tinha ajudado o cego a atravessar a rua até agora.

É por isso que ninguém mais faz boas ações. Quando você se dispõe à ajudar, as pessoas só querem saber de levar o seu dinheiro embora.

3 comentários sobre “Boa ação – pra mim ou pra você?

  1. Você me lembrou uma história que me aconteceu e que foi tragicomica.

    Estava eu em casa, sozinha, anos atrás e alguém tocou o interfone pedindo comida. Voz de velho, cansada, me apiedou e lá vai Adriana ver o que podia fazer.

    Empolgada, peguei um copo de leite. Não tinha comida, já que minha mãe tinha viajado e eu estava a base de sanduba (normal…rs)

    Mas tinha pão! Peguei, passei manteiga, recheei com um belo pedaço de queijo e subi, feliz, orgulhosa da minha boa vontade.

    Quando encontrei o velhinho e lhe entreguei o lanche, ele olhou com desprezo e disse: “Não bebo leite. E nem como pão”. E foi embora, me deixando arrasada, com o lanche feito com todo carinho nas mãos…rs

    Mas eu já tinha lido a mensagem que postei no face. Isso não é entre ele e eu. É entre Deus e eu!

    Aprendi, desde nova, a frase que é lema dos espíritas: “fora da caridade não há salvação”. Fazemos isso para atrair um bom karma? Sim, pois karma quer dizer atitude. E nossa atitude de hoje molda o nosso amanhã. Somos senhores do nosso destino!

    O velhinho não entendeu minha boa intenção? Foda-se! Eu fiz o que minha consciência mandou. E o que eu dava conta de fazer.

    Deus sabe disso. É o que me importa. Em todos os dias da minha vida!

    Ah – e pra te passar o que aprendi e que acho a coisa mais linda de Deus: caridade quer dizer atitude de amor. Quanto colocamos o amor em movimento, ou seja, agimos guiados pelo sentimento de amor estamos indo para o caminho certo…

    E não importa quando colherei os frutos dessa minha plantação. O que importa é que estou sim fazendo minha parte, seja pelo meu próprio bem ou não! rs

    Bjs meu amigo, adoro você!

    Dri

    Curtir

  2. “E não importa quando colherei os frutos dessa minha plantação. O que importa é que estou sim fazendo minha parte, seja pelo meu próprio bem ou não!”

    Às vezes plantamos, e não colhemos diretamente. Mas temos a certeza que aquela semente vai gerar frutos pra gerações futuras, e desabrochar um bela flor. E não importa se estávamos vivos pra vê-la, ou não. O importante é saber que fizemos a nossa parte. 🙂

    Curtir

  3. fomos acostumados assim desde crianca faça isso q vc ganha um doce estamos acostumados a ter algo em troca entao fazemos o bem esperando bençaos de deus,outros fazem pra serem exaltados pelos homens cada um com seu motivo mais o mais importante é aquela sensaçao boa q se sente quando se ajuda alguem é inexplicavel

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s