10 filmes que marcaram a minha vida

Quando a Juliana me taggeou em um post no Facebook com a lista dos 10 filmes que mais marcaram a vida dela, achei que seria fácil montar o meu próprio “top 10”. Quanta ingenuidade! Tive que revirar os inúmeros DVDs que tenho em casa, passar por todos os arquivos digitais do HD externo e no final, me contentar com uma lista de só 10 escolhidos?! Tentei evitar filmes mais novos, por serem (obviamente) muito recentes e não possuírem um afastamento temporal para saber se realmente me marcaram ou se só achei muito legal mesmo. Então vamos à lista!

The Goonies (1985)

goonies-30anos2

Mikey, Bocão, Gordo, Data, Brand e, claro, o querido Sloth! Quem passou a infância dos anos 80-90, com certeza viu esse clássico nas telas da Sessão da Tarde. Escrito por Steven Spielberg e Chris Columbus (sim, o mesmo dos três primeiros Harry Potter), é impossível não se emocionar ao lembrar da aventura que os sete amigos passam a procura de um tesouro pirata, para evitar que suas casas sejam vendidas por causa da hipoteca vencida. Falas como “Andy, you goonie!”, “jerk alert!” ou “goonies never say die!” (e suas respectivas traduções) me acompanham até hoje e a cena em que o Bocão traduz para o espanhol o tour pela casa para a nova empregada Rosalita é puro anos 80!

Free Willy (1993)

free-willy-jason-james-richter

Eu sei, a famosa cena final (spoiler alert!) em que Willy, a orca protagonista do filme, pula sobre o garoto Jesse, em busca de sua liberdade, é simplesmente impossível de ser realizada na vida real. Mas isso não tira a magia da história do menino órfão que faz amizade com um baleia assassina golfinho que também perdeu sua família. Lembro que Free Willy foi um dos primeiros (se não o primeiro) filme que me mostrou, ainda muito novinho, que animais possuem sentimentos, assim como os seres humanos. De lá pra cá, minha paixão e fascínio pelas orcas só aumentou.

Em um “side note” muito importante, aconselho que assistam ao documentário Blackfish (2013), que mostra a realidade cruel em que as orcas são tratadas em parques marinhos e as mentiras contadas ao público para manter a atração interessante.

The Mighty Ducks (1992)

Mighty-Ducks

“Quack! Quack! Quack! Quack!” Se você nunca grasnou para o seu diretor, desculpa mas não podemos ser amigos! Eu não sei nem por onde começar a explicar a paixão que eu tenho pela trilogia dos Mighty Ducks (1992, 1994 e 1996)! A “Oreo line”, o “Flying-V”, os “bash brothers”… Ducks é um daqueles filmes que até hoje rolo de rir assistindo e abro um sorriso ao lembrar de alguma referência. É justo dizer que durante a trilogia a história meio que se repete, mas acompanhar aqueles molequinhos se tornarem grandes jogadores de hockey é o tipo de coisa que só os filmes dos anos 80 e 90 conseguiam fazer. As lições do Coach Bombay (Emilio Estevez) e a atitude de capitão do pequeno Charlie Conway (Joshua Jackson) foram uma excelente influência quando eu tinha meus 5-7 anos e são dignas de atenção até hoje! Afinal, não importa o tipo de merda que a vida jogue para separar seus amigos, “Ducks fly together!”

Romeo + Juliet (1996)

010-romeo-and-juliet-theredlist

Eu lembro de ser muito novinho quando assisti pela primeira vez a versão do Baz Luhrmann para o clássico de William Shakespeare. Talvez tenha sido a roupagem moderna que o diretor utilizou, transferindo a história do famoso casal para os dias modernos, numa espécie de presente distópico. Ou talvez tenha sido a atuação magistral do Leonardo DiCaprio – quem assistiu a esse filme na época já sabia a capacidade e talento do jovem, antes mesmo de Titanic (1997). Fato é que eu lembro de ter ficado fascinado pelo filme e muitos anos depois peguei para assistir novamente. Te juro que não faço ideia de como eu consegui entender qualquer coisa desse filme na época! O roteiro segue muito das falas originais, com o inglês rebuscado de Shakespeare e só quando passei para a versão dublada que fui entender os diálogos. Mas foi essa versão de Romeo + Juliet que me fez apaixonar pela ideia de “amor à primeira vista” e pela divertida noção de pegar clássicos e dar uma roupagem moderna, sem destruir a obra original.

Jurassic Park (1993)

jurassic-park

Por muitas noites, aquela cena inicial de Jurassic Park, em que o novo velociraptor é entregue ao parque, foi o ápice das cenas de suspense pra mim. Não tinha Boneco Assassino ou Pinhead que pudesse competir! Ao mesmo tempo, a ideia de trazer animais de volta à vida através de um material genético “congelado” no tempo era tentadora demais para minha jovem curiosidade científica. Todo aquele papo de DNA retirada de um inseto preso em âmbar, misturado com rãs africanas alimentou por anos meu interesse por biologia. Ajuda muito que os efeitos especiais da época ainda se mantenham bastante convincentes, levantando diversas teorias que o Spielberg deve ter vendido a alma para conseguir um resultado tão realista. Quer dizer, se você desconsiderar as descobertas recentes sobre dinossauros com penas e tudo o mais…

Independence Day (1996)

indday

Se Jurassic Park foi o culpado pelo meu interesse em biologia, foi Independence Day que me fez olhar pro céu a noite e pensar nem fodendo que nós estamos sozinhos!”. Eu lembro de sair do cinema, ver as luzes da cidade ao longe (na época eu morava numa cidadezinha do Triângulo Mineiro e a diversão era ir ao shopping em Uberlândia) e ficar imaginando se aquela iluminação eram os alienígenas chegando. Por muitas e muitas noites, a simples ideia de fechar os olhos e acordar com um alien a dois centímetros do meu rosto me manteve acordado. Por outro lado, até hoje olho pro céu e fico imaginando qual estrela possui algum tipo de civilização ou vida inteligente a procura de semelhantes pelo espaço.

Sem falar que eles explodiram a Casa Branca e o Empire States Building! NAONDE que no mundo de hoje, pós 11 de Setembro, Hollywood vai ter culhões pra fazer qualquer coisa semelhante novamente? Eu te respondo: é NUNCA!

Almost Famous (2000)

Almost-Famous-almost-famous-61998_1024_768

Penny Lane, Cameron Crowe, Stillwater… e a Kate Hudson mais sensual e linda de todos os tempos! Pronto, se só isso não bastasse para Almost Famous ser um dos filmes mais divertidos de todos os tempos, adicione o efeito de “garoto acompanha banda de rock na década mais louca da música, faturando a mulher mais maravilhosa que você já viu na sua vida” e aquela (imensa) invejinha que todos nós sentimos do jovem William Miller ao correr atrás do seu sonho de ser jornalista musical. Todas as palavras e elogios que eu puder escrever sobre esse filme não vão se comparar à magia da cena com a música “Tiny Dancer” (interpretada magistralmente por Dave Grohl, anos mais tarde). “You are home”.

Lembrem-se, crianças: “Groupies sleep with rock star because they wanna be near someone famous… We’re here because of the music, we are band-aids!”

The Girl Next Door (2004)

01

Por onde eu começo a falar das camadas que esse filme possui? Você vai assistir achando que é só mais uma comédia romântica bobinha, com final previsível… Dai acha que vai acabar vendo uns peitinhos aqui e ali… No final, o filme joga no seu colo tanta mensagem de auto-confiança, que você nem sabe o que aconteceu. Ajuda que a Elisha Cuthbert tá uma graça e que o Emile Hirsch vai ser pra sempre o amigo que você gostaria de ter? Ajuda, mas não é disso que eu tô falando! Seja no discurso sobre fibra moral, de achar aquela coisa (ou pessoa) que você realmente acredita na vida e correr atrás dela, independente de pré julgamentos, ou na divertida (porém clichê) história de amor entre os protagonistas, The Girl Next Door entra fácil na lista de filmes que mais me marcaram na vida, senão por tudo isso que já falei, pela simples mensagem de saber se, no final de tudo, “is the juice worth the squeeze?”.

Into the Wild (2007)

ITW-1

Eu não tava brincando quando falei que o Emile Hirsch é o amigo que você quer ter pro resto da vida. Quer dizer, pelo menos baseado nas escolhas de filmes que ele faz, com mensagens interessantes pra se divagar, dá pra se interessar um pouco pela amizade de alguém assim. Into the Wild é provavelmente o único filme desta lista (talvez o próximo também) que não precisa de introdução ou explicações do porquê é tão marcante! Numa sociedade atual, que nos adestra a viver um certo tipo de vida, a sonhar e ansiar por certos padrões culturais e existenciais, saber que a história desse filme foi baseada em uma pessoa de verdade é um verdadeiro ar fresco para quem se sente sufocado pelo que vê ao redor. Precisa dizer da trilha sonora simplesmente animal, feita pelo Eddie Vedder? Não precisa, mas soma mil pontos.

Ferris Bueller’s Day Off (1986)

unnamed--ba72318c4f

Desculpa se você achou que eu ia terminar essa lista sem o maior clássico de todos os tempos. Sem o filme que formou o caráter de uma geração, que nos ensinou que “Life moves pretty fast. If you don’t stop and look around once in a while, you could miss it”, que nos ensinou a cantar e dançar “Twist and Shout” no meio de uma parada sem se preocupar em quem possa te ver ou julgar. “Ferris Bueller is a righteous dude”, seja você um nerd, um esportista, uma vadia, um maconheiro, um revoltado… Todos nós o adoramos e queremos ser seu melhor amigo! Mesmo que isso custe a preciosa Ferrari ’61 do seu pai, você sabe que no final, tudo que o Ferris quer é te dar aquele empurrão para que você possa ser alguém melhor e curtir a vida adoidado. Afinal de contas, “not that I condone fascism, or any -ism for that matter. -Ism’s in my opinion are not good. A person should not believe in an -ism, he should believe in himself.”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s